NTM - Núcleo de Tecnologia de São José- SC - BRASIL

O Núcleo de tecnologia disponibiliza aos educadores e demais integrantes da Web este blog com objetivo de divulgar tecnologias que podem auxiliar na educação dos alunos. Postamos também projetos e notícias relativas a rede municipal de ensino de São José, SC. Existem dezenas de postagens e soluções para contribuir no seu dia a dia, vale apena conferir. Você pode traduzir as postagens em vários idiomas!


terça-feira, 14 de novembro de 2017

Crash Course on Economics! Crash Course Econ - 35 vídeos - Legendado



CrashCourse

In which Jacob Clifford and Adriene Hill launch a brand new Crash Course on Economics! So, what is economics? Good question. It's not necessarily about money, or stock markets, or trade. It's about people and choices. What, you may ask, does that mean. We'll show you. Let's get started!


Crash Course is now on Patreon! You can support us directly by signing up at http://www.patreon.com/crashcourse



Click the link below to access all videos


quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Seminário Internacional faz Propostas para os anos finais do Ensino Fundamental - Promovido pelo Ministério da Educação em parceria com o Banco Mundial, o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e o Instituto Inspirare - Excelente!!!

Gestores educacionais, especialistas e adolescentes constroem propostas objetivas para uma educação conectada com os adolescentes do século 21

por Grupo de Trabalho Anos Finais 
Em setembro de 2017, gestores educacionais, especialistas e adolescentes de todo o país se encontraram em Brasília para debater os desafios e as oportunidades que permeiam os Anos Finais do Ensino Fundamental, uma etapa de ensino que costuma ficar em segundo plano no cenário da educação brasileira.
Promovido pelo Ministério da Educação em parceria com o Banco Mundial, o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e o Instituto Inspirare, o Seminário Internacional – Desafios e Oportunidades para os Anos Finais do Ensino Fundamental buscou dar início a um processo de virada nesta realidade.
O evento apresentou dados, referências e experiências sobre o tema e culminou com a construção coletiva de um valioso conjunto de recomendações para transformar as redes de ensino e as escolas em espaços significativos, que promovam de fato o engajamento, a aprendizagem e o desenvolvimento dos adolescentes.
Confira abaixo as apresentações dos palestrantes, as recomendações elaboradas coletivamente para conectar os Anos Finais com interesses, realidades e necessidades dos adolescentes do século 21 e material sobre a plataforma Faz Sentido, que busca apoiar redes, escolas e professores que atuam nessa etapa de ensino.
Destacamos que as recomendações foram construídas com a colaboração de representantes da Undime, de secretarias e conselhos estaduais de educação, especialistas e adolescentes, portanto não expressam necessariamente a opinião dos organizadores do seminário. Trata-se de um cardápio diversificado de possibilidades, capazes de inspirar e orientar o trabalho de escolas e redes de ensino.
Esperamos que sejam úteis para você também!
PROPOSTAS:

APRESENTAÇÕES DOS PALESTRANTES:
Carlos Moreno


Laurence Steinberg


Márcia Campos


Nuno Crato


Pilar Lacerda


Aaron Benavot


Luiz Scorzafave


Minéa Paschoaleto Fratelli


Rosália Lacerda


Tim McNamara


Uriel Kejsefman



APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA FAZ SENTIDO:

Por que os professores querem mais tecnologia?

Ao contrário do que acreditam aqueles que dizem que os professores serão substituídos por robôs, o papel dos docentes continua e continuará sendo essencial

Vivemos uma Era em que tudo o que fazemos pode ser completamente transformado por inovações tecnológicas em curtos períodos de tempo. As novidades digitais mudaram a forma como nos comunicamos, trabalhamos, nos divertimos, nos relacionamos e até como nosso cérebro funciona. Nas escolas, os professores já não são os detentores do conhecimento. Além disso, podem ter deixado de ser a fonte mais confiável de informações, na visão de parte dos alunos. Esse fato, é bom deixar claro, acontece do ensino fundamental à educação superior. Computadores, tablets, smartphones, plataformas e modelos híbridos deram, para essa geração, muito mais acesso a uma fonte constante e inesgotável de informações, boas e ruins. O uso de ferramentas tecnológicas, entretanto, é insuficiente para causar uma mudança disruptiva no modelo tradicional de escola e de aprendizagem. E os professores já têm consciência de tudo isso.
O Movimento Todos pela Educação e parceiros publicaram, recentemente, os resultados da pesquisa “O que pensam os professores brasileiros sobre a tecnologia em sala de aula?”. As conclusões mostram revelações importantes:
– A grande maioria, 92% dos professores, usa tecnologia para apresentar o conteúdo em sala de aula, sendo que 25% usam sempre e 47% usam às vezes;

– O segundo motivo para o uso de ferramentas tecnológicas, segundo 44% dos entrevistados, é a avaliação dos alunos;
– Apenas um terço diz ter facilidade no uso e só 11% acreditam que esse uso melhora o desempenho acadêmico;
– Esses últimos dados estão fortemente relacionados à falta de formação e de infraestrutura adequada: 62% disseram que nunca passaram por qualquer formação na área e 66% afirmam que os equipamentos são insuficientes;
– Mais da metade diz que usaria com mais frequência se houvesse melhores condições.

No contexto atual e também no futuro, ao contrário do que acreditam aqueles que dizem que os professores serão substituídos por robôs, o papel dos docentes continua e continuará sendo essencial para a formação e preparação de crianças e jovens para um mundo em constante mutação, com acesso ampliado a todos os tipos de informações. Os professores continuarão sendo os guias das experiências educacionais, auxiliando os alunos para que consigam criar a melhor utilização possível de ferramentas, recursos e fontes para aprimorar o processo de ensino/aprendizagem.
Utilizando minhas redes sociais, e o acesso a dezenas de milhares de professores, fiz uma pesquisa rápida e informal sobre por que eles acham que os professores querem usar mais tecnologias em sala de aula. Além da consciência sobre as mudanças já citadas, a maioria fala sobre mais motivação e engajamento; aproximação à realidade fora da escola; maior relevância do ensino, com a conexão entre a teoria e o mundo real; mais diversificação nas atividades, mais diversão; e, o que considero o grande “pulo do gato”: a possibilidade de se personalizar o ensino com o auxílio de plataformas digitais, dados e relatórios, segundo os interesses, as paixões, as forças e fraquezas de cada aluno.
Com esses fatos e tendências em mente, criamos, há anos anos, a Conecturma: uma nova metodologia de aprendizagem que combina tecnologias inovadoras (como plataforma adaptativa) e tecnologias tradicionais (livros, fantoches e jogos de tabuleiro) para ajudar a criar um processo de aprendizagem mais autêntico, divertido e efetivo. Utilizamos elementos e estratégias de storytelling e gamificação para melhorar a formação dos professores e aumentar a atenção, o engajamento e a concentração dos alunos. Os resultados têm sido encorajadores.
Para que possamos avançar mais rapidamente, precisamos aumentar, urgentemente, os investimentos em infraestrutura tecnológica (incluindo a melhoria da qualidade da internet), em metodologias mais modernas e na formação dos professores. Precisamos ir além do ensino de habilidades básicas de informática, softwares, programação e robótica em aulas separadas. Precisamos criar e implementar políticas efetivas de integração das novas tecnologias ao currículo de forma que o processo de aprendizagem seja completamente transformado para muito melhor. Alguns municípios e estados (como Viamão, Goiás, Amazonas e Santa Catarina) já se deram conta disso e têm experiências relevantes sendo implementadas. Vamos em frente!
Rafael Parente
PhD em educação (NYU), CEO da Aondê / Conecturma (empresa de educação e tecnologia), cofundador do Movimento Agora!, criador e apresentador do Canal Educação na Veia, membro do conselho do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais (FGV/EBAPE Rio) e sócio-efetivo do Movimento Todos pela Educação.

Fonte: http://porvir.org/por-os-professores-querem-mais-tecnologia/


quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Laboratório prepara professor para usar tecnologia e metodologias inovadoras


Criado pelo CIEB (Centro para Inovação da Educação Brasileira), EfeX vai formar docentes para adoção de tecnologias educacionais; primeira unidade fica em Blumenau (SC)

por Vinícius de Oliveira

 
Um espaço para o professor compartilhar ideias, aprender na prática e sair pronto para mudar a dinâmica de sua própria sala de aula. Assim é o EfeX (sigla para Espaços de Formação e Experimentação em Tecnologias para Professores), o laboratório de criatividade voltado à formação continuada que teve sua primeira unidade inaugurada na última segunda-feira, 16, na FURB (Universidade Regional de Blumenau), em Santa Catarina (SC). A iniciativa é resultado de uma parceria entre o CIEB (Centro para Inovação da Educação Brasileira), a Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina e a universidade.

Com investimento de R$ 250 mil, cada unidade EfeX combina itens para fabricação digital e de programação, como cortadora a laser e de vinil, kits de eletrônica, de invenção e de robótica. Também estão disponíveis computadores, tablets e ferramentas para criação de mídias, filmagens de videoaulas, câmera fotográfica e kits de iluminação. “O CIEB fez uma ampla pesquisa com centros ao redor do mundo que são referência na formação de professores até chegar a esse conceito. Todos os conceitos que estruturam o EfeX dispõem de propostas de referência (plantas arquitetônicas, metodologias, guia de orientações, listas e especificações de equipamentos, diretrizes de formação, entre outros) que garantem um padrão de excelência para este conceito que o CIEB desenvolveu”, diz Lucia Dellagnelo, diretora-presidente do Centro de Inovação para Educação Brasileira.

O modelo do EfeX não é fechado. Segundo Lucia, as instituições de ensino ou secretarias que queiram implantar um EfeX podem se apropriar desses conceitos e fazer as adaptações para as suas realidades locais e atender às necessidades de formação dos professores da rede. Além disso, todas as unidades estarão conectadas em rede de forma a compartilhar as melhores práticas e planos de aula desenvolvidos nas formações.


Crédito: Furb
 

O laboratório, no entanto, não busca ser uma vitrine de tecnologia. Para que os professores ganhem confiança para aproveitar os benefícios dos equipamentos para suas aulas, o CIEB desenvolveu dez módulos iniciais divididos em três grandes áreas de atuação (conceitos, processos e recursos), sendo eles: ensino híbrido, cultura maker, gamificação, curadoria de recursos digitais, colaboração, avaliação por meio de recursos digitais, educomunicação, programação e robótica, plataformas adaptativas. aprendizagem baseada em projetos. “A ideia das formações do EfeX é mostrar caminhos possíveis para o uso concreto de tecnologias no cotidiano escolar, através de atividades teóricas e práticas com os professores das redes públicas de ensino onde possam estar à vontade para experimentar estas tecnologias e cocriar planos de aula que contemplem o uso das mesmas para aprimorar suas práticas pedagógicas”, diz.

Em Blumenau, a chegada do EfeX está em linha com os objetivos do plano de formação e tecnologias educacionais traçado pela secretaria estadual. “A ideia é oferecer cursos em todos os períodos. Os professores receberão um certificado atestando as horas de formação e isso, claro, traz benefícios para a carreira”, afirma Francisco Reis Von Hertwig, diretor de tecnologia e inovação da secretaria estadual.
Na universidade, a expectativa é que o trabalho no EfeX comece em novembro, após reunião com diretores escolares. Segundo Rita Buzzi Rausch, diretora do Centro de Ciências da Educação, Artes e Letras da instituição, as atividades começam com professores da rede estadual e logo devem se expandir para docentes municipais. “Vamos fazer uma seleção de dois ou três professores de cada escola para começar esse processo. Depois, eles poderão compartilhar o que aprenderam com seus colegas”, diz.

A parceria entre o CIEB e as secretarias de educação deve se repetir em outras regiões. Nos próximos meses, Joinville (SC), Maceió e Arapiraca (AL) devem inaugurar novas unidades que colocam o professor para aprender na prática e inovar em sala de aula.

 

Why Age? Should We End Aging Forever? Legendado





Watch part 2 by CGPGrey: https://www.youtube.com/watch?v=C25qz... 

If you could decide today... how long do you want to live? 

Thanks so much for help with the video to https://www.lifespan.io/hero – they are working to cure age-related diseases. 

Check them out! Kurzgesagt Newsletter: http://eepurl.com/cRUQxz 

Support us on Patreon so we can make more videos (and get cool stuff in return): https://www.patreon.com/Kurzgesagt?ty=h 

urzgesagt merch: http://bit.ly/1P1hQIH 

 The MUSIC of the video: Soundcloud: http://bit.ly/2xSQ4gN

  Bandcamp: http://bit.ly/2zCNjlP Facebook: http://bit.ly/2qW6bY4

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=GoJsr4IwCm4&pbjreload=10

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Mark Katakowski: Increasing Human Life Expectancy through Stem Cell Rejuvenation" | Talks at Google - Legendado



Dr. Mark Katakowski makes the case that rejuvenation of the bone marrow niche is a practical approach to life-extension today. Mark is President of the longevity company Forever Labs, and is a medical physicist with extensive experience developing stem cell therapies for neurological disease and injury. 
Mark was first to demonstrate that microRNA functions as a communication molecule between brain tumor cells, a previously unknown mechanism of intercellular eukaryotic gene regulation. Based upon his use of stem cells to treat age-related disease, Mark surmises that rejuvenating the bone marrow provides significant opportunity to combat aging.

[VIII Seminário Privacidade] Seminário "Criptografia: decifrando a relação entre matemática..." NICbrvideos




O Seminário "Criptografia: decifrando a relação entre matemática, direito, privacidade e segurança da informação" contou com a participação de Fabricio Patury (MPBA), Lucas Teixeira (Coding Rights), Mônica Steffen Guise Rosina (Facebook) e Renato Leite Monteiro (Mackenzie), com moderação de Jamila Venturini (NIC.br).
 O VIII Seminário de Proteção à Privacidade e aos Dados Pessoais foi promovido nos dias 18 e 19 de setembro de 2017, em São Paulo, pelo CGI.br e NIC.br, em parceria em parceria com o Ministério Público Federal de São Paulo (MPF/SP), e com o Grupo de Ensino e Pesquisa em Inovação da Fundação Getúlio Vargas (FGV/Direito de São Paulo). 

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

[VIII Seminário de Privacidade] Coquetel de Debate sobre os Projetos de Lei de Proteção de Dados ... NICbrvideos



NICbrvideos

O Coquetel de Debate sobre os Projetos de Lei de Proteção de Dados Pessoais contou com a participação de Arthur Rollo (SENACON), Laura Schertel Mendes (CEDIS/IDP), Marcel Leonardi (Google), Orlando Silva (Deputado Federal PCdoB/SP) e Rafael Zanatta (IDEC), com moderação de Flávia Lefèvre (CGI.br e Proteste).

 O VIII Seminário de Proteção à Privacidade e aos Dados Pessoais foi promovido nos dias 18 e 19 de setembro de 2017, em São Paulo, pelo CGI.br e NIC.br, em parceria em parceria com o Ministério Público Federal de São Paulo (MPF/SP), e com o Grupo de Ensino e Pesquisa em Inovação da Fundação Getúlio Vargas (FGV/Direito de São Paulo). Mais informações em http://seminarioprivacidade.cgi.br/.

Fonte:https://www.youtube.com/watch?v=UENTCIoQ4ZU

Computação Gráfica | Nerdologia Tech 10



ESTE NERDOLOGIA É UM OFERECIMENTO DA ALURA Acesse:

https://www.alura.com.br/supertech

No Nerdologia Tech de hoje vamos entender o que faz imagens no cinema e nos games serem reais ou não.

Apresentação: Átila Iamarino - http://www.twitter.com/oatila

 Roteiro: Átila Iamarino - http://www.twitter.com/oatila

Paulo Silveira: https://twitter.com/paulo_caelum

 Edição e Arte: Estúdio 42 - http://www.estudio42.com.br

Apoio: Paloma Mieko - http://instagram.com/atilaepaloma

CARREIRAS ALURA https://www.alura.com.br/supertech

ASSISTA TAMBÉM Nerdologia 53 - Supervisão: https://goo.gl/1xKLjw

FONTES Humes, Larry E., Thomas A. Busey, James C. Craig, and Diane Kewley-Port. "The effects of age on sensory thresholds and temporal gap detection in hearing, vision, and touch." Attention, Perception, & Psychophysics 71, no. 4 (2009): 860-871.

MATERIAL USADO
capa: https://goo.gl/gW8Yeg
major lazer -light it up: https://youtu.be/lhJ6zz7Ls1Y
call of duty: https://youtu.be/wTPYQspHkOM
 muybridge: - https://goo.gl/1PiU6n - https://goo.gl/dg2iwS
 efeito da roda de carro: https://youtu.be/VNftf5qLpiA
matrix: https://youtu.be/ggFKLxAQBbc
hobbit: https://youtu.be/40sMS27Ql_w
antonio fagundes: https://goo.gl/6Wz2wn
rendering pixar: https://goo.gl/q5n6pN
wow: https://youtu.be/GRGdzYinth0
wow troll: https://goo.gl/pBwQ9C
monalisa: https://goo.gl/bZHw4D
last of us: https://youtu.be/OqBM1dypKT0
clipping: https://youtu.be/kvVHp9wMAO8
 culling: https://youtu.be/8luBQRqW9eo
doom: https://goo.gl/RudJLQ
 top 10 graphic games: https://youtu.be/vBzeK0O2W8c
bug: https://goo.gl/9kz7kD
bsp: https://youtu.be/yTRzfKh4Tg0
 minecraft: https://youtu.be/7a7vTGJX_cE
hulk: https://goo.gl/EyDHVE
raytracing: https://youtu.be/Qx_AmlZxzVk
 imagem gerada no raytracing: https://goo.gl/SbZgcm
 general tarkin: https://youtu.be/1uKtUlPmhqw
age of empire: https://goo.gl/umtqT7

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=-4_OU95nKuU 

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Star Stuff: The Story of Carl Sagan (Short Film) - Poeira das Estrelas – Curta-metragem conta a história de Carl Sagan! Legendado


Poeira das Estrelas é um curta-metragem que retrata a história do cientista, astrônomo, astrofísico, cosmólogo e escritor Carl Sagan.

Poeira das Estrelas é um curta-metragem com duração de 9 minutos e 42 segundos, que relata o despertar de Carl Sagan, famoso astrofísico apresentador da série Cosmos  – extremamente popular nos anos 1980 e que atualmente é apresentada por Neil DeGrasse Tyson.  O filme dá ênfase à evolução da curiosidade de Carl Sagan e retrata a influência que seus pais tiveram sobre o estímulo e o incentivo em seguir sua paixão. O filme segue a cronologia dos relatos de Sagan em seus livros, o início de sua paixão pela ciência na infância, as perguntas e os questionamentos em relação ao cosmos e as possibilidades de multi versos.



Poeira das Estrelas ainda relata a famosa história da biblioteca onde Sagan ainda pequeno, acompanhado de sua mãe, pede à bibliotecária um livro sobre as estrelas e a moça lhe oferece um sobre as estrelas de Hollywood. Percebendo o desinteresse do garoto, instantes depois, a moça lhe mostra, então, um livro sobre os infinitos sóis que existem no Cosmos. O curta ainda mistura animação, retratando de forma lúdica o aprendizado do cientista, cuja principal contribuição foi  transmitir assuntos complexos da ciência através de uma linguagem acessível ao público.


O filme foi produzido em 2015 e foi selecionado e exibido em diversos festivais durante o ano de 2016. Há, inclusive, notícias de que a Warner Bros pretende produzir um longa-metragem baseado na biografia do cientista e Ann Druyan, viúva de Carl Sagan, está participando da produção e fornecendo informações para a criação do roteiro. Enquanto aguardamos ansiosos pelo longa, bora assistir o curta? Tem opção de legenda em português no link 🙂






El guante que nos permite sentir el tacto de Marte - Legendado



elFuturoEsOne

Entra en http://one.elpais.com
Suscríbete a nuestro canal de youtube: http://bit.ly/1JHCOQ1 Síguenos en Facebook: https://www.facebook.com/elfuturoesone Síguenos en Twitter: http://www.twitter.com/elfuturoesone


“Sentir el aleteo de una mariposa en la punta de los dedos”. La frase parece un verso. Tal vez de un poeta no demasiado bueno, de esos que tiran de metáfora fácil y rimas consonantes para esconder la palabra. Pero no es un verso, sino el ejemplo que pone Luis Castillo para destacar las asombrosas posibilidades del Gloveone, un guante para ser utilizado con programas de realidad virtual, que provoca en quien lo utiliza la ilusión de estar tocando los objetos  con los que interactúa. “Nosotros empezamos en 2014 a innovar en temas de salud con realidad virtual para deficiencias neurológicas o problemas de alzheimer con muchos tipos de pacientes -explica Castillo para justificar el origen del Gloveone-. Y nos dimos cuenta de que cuando probaban la realidad virtual, lo primero que hacían era intentar agarrar o coger objetos que aparecían por las gafas. Y de hecho el no poder hacerlo provocaba que se agobiaran mucho con toda la experiencia. Así descubrimos ese gran hueco que era el sentido del tacto o el posibilitar que sintiesen lo que estaban viendo”.

Gloveone es el producto con el que se dio a conocer Neurodigital, empresa almeriense fundada por Castillo, ingeniero informático, y Francisco Nieto, doctor en Neurociencia. La evolución háptica (relativa al sentido del tacto) es la próxima frontera que tiene que afrontar la realidad virtual: dominadas las posibilidades ópticas y acústicas, controlar el tacto -un sentido mucho más complejo- permitirá multiplicar y elevar las prestaciones de las aplicaciones de VR. En este sentido Gloveone supuso un espectacular avance, puesto que no sólo consigue que el usuario sienta el peso o la textura de lo que está tocando en el mundo virtual -así como traducciones de otras señales mediante presión-, sino también que vea sus propias manos mientras maneja los objetos.

Su siguiente proyecto, Avatar VR, que además de los guantes incluye distintas bandas que también envían y reciben información, es un paso más hacia lo que Castillo considera es el futuro de la realidad virtual: “pasa por erradicar cualquier tipo de soporte intrusivo”. Muy pronto, cree, seremos capaces de tener experiencias completamente inmersivas sin necesidad de guantes, cascos o trajes. Bastarán unas pegatinas con sensores. En ese momento será cuando la realidad virtual dé el gran salto hacia el que nos dirigimos: “los límites no los marca nuestra tecnología, sino lo que seamos capaces de imaginar”.


Entrevista y edición: Iván F. Lobo, Maruxa Ruiz del Árbol, Mikel Aguirrezabalaga
Texto: José L. Álvarez Cedena
Categoria
Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=SULY8fg5HRA

How Bacteria Rule Over Your Body – The Microbiome - Legendado




What happens when microbes talk to your brain?
Kurzgesagt Newsletter: http://eepurl.com/cRUQxz Support us on Patreon so we can make more videos (and get cool stuff in return): https://www.patreon.com/Kurzgesagt?ty=h Kurzgesagt merch: http://bit.ly/1P1hQIH The MUSIC of the video: Soundcloud: http://bit.ly/2kqh1a8 Bandcamp: http://bit.ly/2y2YLbW Facebook: http://bit.ly/2qW6bY4

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=VzPD009qTN4

terça-feira, 3 de outubro de 2017

How digital DNA could help you make better health choices | Jun Wang - Legendado



What if you could know exactly how food or medication would impact your health -- before you put it in your body? Genomics researcher Jun Wang is working to develop digital doppelgangers for real people; they start with genetic code, but they'll also factor in other kinds of data as well, from food intake to sleep to data collected by a "smart toilet." With all of this valuable information, Wang hopes to create an engine that will change the way we think about health, both on an individual level and as a collective.

Check out more TED Talks: http://www.ted.com

The TED Talks channel features the best talks and performances from the TED Conference, where the world's leading thinkers and doers give the talk of their lives in 18 minutes (or less). Look for talks on Technology, Entertainment and Design -- plus science, business, global issues, the arts and more.
Follow TED on Twitter: http://www.twitter.com/TEDTalks
Like TED on Facebook: https://www.facebook.com/TED

Alunos participam de videoconferência com autor durante aula de literatura


Professora de Curitiba (PR) usou a tecnologia como aliada para despertar o interesse da sua turma pela leitura de obras adotadas pela escola

por Marcela de Alencar 

Nem sempre o trabalho com a literatura inspira os alunos a lerem obras adotadas pela escola. Mas será que eles ficariam mais motivados se pudessem discutir o livro com o próprio autor? Pensando nisso, tive a ideia de promover uma conversa via internet entre a turma e um escritor local.
Depois de realizarem a leitura da obra “Perfeito de todo jeito”, do paranaense Domingos Pelllegrini, os alunos dos sétimos anos do Colégio Amplação, de Curitiba (PR), participaram de uma discussão com o autor. Por intermédio da tecnologia, foi realizada uma videoconferência via Skype para a turma compreender melhor o seu posicionamento e as suas inspirações na hora de escrever.
Essa proposta veio a partir de um questionamento dos alunos. Durante uma das nossas aulas, passei um vídeo em que o autor contava como foi despertado seu prazer pela leitura durante a infância. Imediatamente um aluno perguntou: “O autor do livro está vivo, professora? “Percebi que deveria aproveitar esse momento de surpresa para envolvê-los.
Pela primeira vez na vida, a maioria dos meus alunos tiveram a oportunidade de conversar pessoalmente com o autor de um livro adotado pela instituição de ensino. O fato do autor ser extremamente simpático também facilitou o diálogo e deixou os alunos à vontade para realizarem perguntas.
As questões foram elaboradas ao longo de uma semana, após discussões e questionamentos. Meu objetivo era mostrar para os alunos que a leitura pode ser trabalhada de várias formas e que um questionário no formato de prova ou uma redação argumentativa não são os únicos métodos para verificar a interpretação de um livro. Seu resultado pode ser dinâmico e transformador.
Com essa atividade, os alunos entenderem que é possível usar a tecnologia, não apenas em atividades de entretenimento, mas também para encurtar distância e aproximar pessoas, como ocorreu com o autor Domingos Pellegrini. Quando confirmamos a videoconferência, a postura dos alunos mudou. Eles se tornaram mais críticos e participativos. Estavam ansiosos e cheios de expectativas.
Durante a conversa, o autor afirmou que iria revisar o livro e publicar uma nova edição baseada nos comentários realizados pelos alunos. Foi um momento sensacional, afinal, ele despertou nos estudantes o desejo de ler a nova edição e conhecer outras obras do autor.
A leitura, a interpretação e o debate de questões são fundamentais para o amadurecimento do indivíduo. Acredito que essa atividade plantou uma nova semente em cada um dos alunos e me arrisco a dizer que ela deu vida a novos leitores. Vale a pena sair do conforto da sala de aula e pensar de forma disruptiva. Afinal, ter 68 alunos focados em uma videoconferência é a prova de que a tecnologia é nossa aliada.

Marcela de Alencar
Professora de língua portuguesa e literatura há oito anos na rede publica e privada. Atualmente, leciona no Colégio Amplação, em Curitiba (PR). Graduada em letras, especialista em literatura brasileira e história nacional. Ministrou aulas do ensino fundamental I ao médio, passando por todos os anos de ensino
.
































































































































Fonte: http://porvir.org/alunos-participam-de-videoconferencia-autor-durante-aula-de-literatura/